x
Atualizado em 05.06.2017 às 07:01

Notícias

A mulher e a lei

"Meu único filho quase me matou"

Publicado em 05.06.2017, às 07h00

Atualizado em 05.06.2017, às 07h01

Na coluna desta semana, Gleide Ângelo fala sobre a violência dos filhos com as mães
Foto: Divulgação

Por Gleide Ângelo

Caros leitores,

No artigo de hoje falarei sobre a realidade que muitas mães vivem a de serem vítimas dos próprios filhos. A Lei Maria da Penha protege as relações domésticas e familiares e nela estão inseridas as mães que sofrem violência dos próprios filhos. A grande dificuldade é porque a maior parte dessas mães não quer denunciar os filhos. Por pena ou para protegê-los elas preferem sofrer caladas dentro de suas casas.

A sociedade nunca vai aceitar esse tipo de violência, por isso todos devem agir de forma eficiente para coibir esse tipo de crime covarde. O filho agressor pratica violência contra a mãe porque sabe que ela não vai ter coragem de denunciá-lo, inclusive após a agressão muitos dizem: vai me entregar à polícia? Essa atitude faz com que a mãe se sinta culpada e não faça nada, continuando no ciclo da violência, que pode terminar com a morte.

O sofrimento de Carmem

Entre tantas mães que sofrem esse tipo de violência, conheci Carmem (nome fictício) que chegou ao “fundo do poço” e perdeu tudo por causa do filho, só lhe restou à vida. Conversamos sobre a sua vida sofrida, e ela foi lentamente me narrando diversos episódios de muito sofrimento, “só tive um filho, e lhe dei tudo o que podia, nunca lhe faltou nada. Com 14 anos ele começou a se envolver com pessoas erradas da comunidade. Em pouco tempo já estava usando maconha e crack. Para manter o vício começou a vender a droga para os traficantes. Fiquei muito desesperada e fui até a casa do traficante que ameaçou me matar junto com meu filho”.

Desesperada, Carmem foi à busca de ajuda do Conselho Tutelar e de psicólogos e resolveu vender a casa que tinha na comunidade para morar em outro local bem longe. Ela relembra, “fui morar muito longe com meu filho, mas não adiantou, ele novamente começou a se juntar com os traficantes, e a cada dia estava mais agressivo comigo. Levei-o para uma clínica que trabalha com recuperação de dependentes, mas ele não quis ficar, fugiu da clinica. Sempre que eu fazia alguma coisa para ele deixar as drogas, ele ficava com mais ódio de mim. Quando ele fez 16 anos, foi a primeira vez que me agrediu fisicamente. Fiquei destruída. Os vizinhos queriam espancá-lo, mas não deixei, o protegi. Sempre me perguntei onde foi que errei com meu filho”.

Na longa conversa com Carmem observei que ela passa pelo mesmo problema de outras mães que sofrem violência, elas sempre se culpam. A frase: “onde foi que eu errei” é a mais falada entre essas mulheres. Elas não querem enxergar que aquele filho que ela criou com tanto amor e carinho cresceu e resolveu seguir um caminho que não foi o almejado por ela. Quando o caminho é o da criminalidade, elas ficam sem entender o porquê do filho estar nesse caminho e começam a procurar culpados. E infelizmente elas se colocam como principais culpadas. No caso de Carmem, ela procurou tratamento, até mudou de endereço, mas o filho sempre escolheu viver na criminalidade.

E ela termina a conversa dizendo como foi o trágico desfecho, “meu filho me espancava constantemente, bastava eu dizer que não tinha dinheiro. Ele vendeu tudo o que tinha dentro de casa, até o botijão de gás ele vendeu. Já colocou a arma na minha cabeça e disse que iria me matar. Mas eu já estava acostumada a conviver com isso, jamais o denunciaria. Certo dia estava em casa lavando roupas quando meu filho chegou com um homem mal encarado e com um pacote grande. Eles seguiram para o quarto do meu filho e continue no quintal. Quando eles saíram fui ao quarto para olhar, e quando abri o guarda roupa vi uma caixa grande. Abri a caixa e tinham duas armas de fogo enormes, que depois me disseram que se chamava fuzil, e umas barras brancas que eram de cocaína. Naquele momento eu vi que não poderia mais ficar calada, se meu filho continuasse assim, iria morrer, era melhor ter um filho preso do que morto. Não pensei duas vezes e liguei para a polícia. Meu filho voltou logo para casa e continuei no quintal, em seguida várias viaturas da polícia chegaram a minha casa. Os policiais entraram e foram direto para o local em que estavam as armas e as drogas. O meu filho olhou para mim com tanto ódio, e me disse; “que qualidade de mãe é você que entrega o filho para a polícia”. Eu neguei, disse que não tinha sido eu, que eu jamais faria isso, mas ele não acreditou. Os policiais levaram meu filho para a delegacia e ele seguiu para o presídio. Quando fui visita-lo ele olhou para mim e disse que não queria eu fosse mais vê-lo porque eu não era sua mãe, que uma mãe jamais faria o que eu fiz que ele queria que eu morresse”.

Na conversa, Carmem disse que chorou por muitos dias, procurou ajuda psicológica para poder se equilibrar e não se sentir culpada. Com o tempo e com o tratamento ela está bem melhor e já tem a consciência de que o único culpado pelo sofrimento do filho é ele mesmo, pois foi ele quem escolheu esse caminho. Carmem trabalha fazendo bolos e doces e tem uma vasta clientela. Ela tentou ver o filho outras vezes, mas ele não quis. Ela sabe que ele ainda está preso, mas Carmem resolveu seguir o caminho com a certeza de que ela fez o que era certo.

Amiga, se você está passando pelo mesmo problema de Carmem, sofrendo agressões do seu filho, não permita que isso aconteça. Não se sinta culpada pelos erros e escolhas dele. Você ensinou o melhor caminho para ele, mas a escolha é dele, e ele pagará o preço da escolha. Exija respeito, não permita que ele te maltrate e humilhe, vendendo tudo o que você tem e conquistou com sacrifício. Não tenha medo das ameaças, busque a proteção que a Lei Maria da Penha te oferece. Se você se impuser e exigir respeito, verá que o seu filho mudará com você. Ele te agride porque sabe que você está fragilizada e não o denunciará. Procure um Centro de Referência da Mulher e converse com os profissionais. Você precisa se fortalecer e denunciar em uma delegacia de polícia. Com isso seu filho saberá que se cometer violência contra você, poderá ser preso. Tenha consciência de que você fez o melhor para seu filho, mas você não pode fazer as escolhas dele. Se ele resolveu viver na criminalidade, essa escolha não foi sua. O que você precisa fazer é se proteger da violência que pode progredir para sua morte. Cuide de sua vida e se proteja buscando ajuda, talvez essa seja a única forma do seu filho lhe respeitar, sabendo que você não aceita mais sofrer, que deu um basta.

Você não está sozinha; veja onde procurar ajuda:

  • Centro de Referência Clarice Lispector – (81) 3355.3008/ 3009/ 3010
  • Centro de Referência da Mulher Maristela Just - (81) 3468-2485
  • Centro de Referência da Mulher Márcia Dangremon - 0800.281.2008
  • Centro de Referência Maria Purcina Siqueira Souto de Atendimento à Mulher – (81) 3524.9107
  • Central de atendimento Cidadã pernambucana 0800.281.8187
  • Central de Atendimento à Mulher do Governo Federal - 180
  • Polícia - 190 (se a violência estiver ocorrendo) - 190 MULHER

A mulher e a lei Gleide Ângelo é delegada especial, gestora do Departamento da Mulher. gleideangelo@gmail.com

Continue Lendo

Ingressos

Voltar para o topo